Our Mission – Portugues

Nenhum documento da Igreja explica e defende de maneira mais adequada seu ensinamento atemporal sobre a família do que a Humanae Vitae. Nesta encíclica, promulgada no dia 25 de julho de 1968, o Papa Paulo VI envia uma mensagem salvífica a um mundo secularizado e atribulado. Ele explica como a disseminação da contracepção artificial se tornaria um veneno que convidaria os tiranos, tanto na política como na cultura, a atacar e controlar os mais íntimos aspectos a vida humana.
 
Não é de surpreender que a Humanae Vitae tem sido atacada ferozmente pelas forças da Ditadura do Relativismo desde o dia em que foi promulgada.
 
Mesmo assim, as previsões do Papa Paulo VI mostraram-se proféticas:
 
Políticas brutais de controle populacional foram implementadas em muitos países, por exemplo, na Índia, na China e no Peru. Houve uma perda de respeito pela mulher, um rebaixamento geral dos padrões morais e um aumento na infidelidade matrimonial, levando a uma profunda violação da integridade da família.
 
Nesta página, intitulada Projeto Humanae Vitae, patrocinada pelo Population Reserach Institute (pop.org), apresentamos a mais completa e precisa história da contracepção artificial, desde as suas raízes no início do século XX até a promulgação da Humamae Vitae em 1968. Esse trabalho brilhante, realizado pelo Professor Gonzalo Herranz, da Universidade de Navarra, fornece tudo o que você precisa para compreender e defender o mandamento de Deus dado aos nossos primeiros pais: “”Frutificai e multiplicai-vos”. Oferecemos abaixo resumos de cada capítulo em português, cada um com um link para o texto integral em espanhol.

 
Leia a encíclica Humanae Vitae na íntegra aqui. Continue reading Our Mission – Portugues

Apresentação

Em breve a publicação da encíclica Humanae vitae, do Papa Paulo VI, completará cinquenta anos, razão pela qual muito se falará e se escreverá sobre sua doutrina e também sobre seu impacto dentro e fora da Igreja Católica. Alguns dizem que essa encíclica representa um marco tanto na história da Igreja como na história da contracepção. O cinquentenário da encíclica é uma boa ocasião para … Continue reading Apresentação

1. Origens da contracepção moderna: três designações e três atitudes

Resumo: Capítulo I. Origens da contracepção moderna: três designações e três atitudes O capítulo trata da origem de três termos: contracepção, prevencepção e controle de natalidade, com os quais foi designada, durante décadas, a prevenção da concepção. Dada a confusão gerada pelo uso desses termos, convém esclarecer a história de como eles surgiram. Continue reading 1. Origens da contracepção moderna: três designações e três atitudes

2. A contracepção pioneira e sua incompatibilidade com o aborto

Resumo: Capítulo II A contracepção pioneira e sua incompatibilidade com o aborto Neste capítulo mostraremos como, na mente dos criadores da contracepção, esta não apenas é algo distinto do aborto, mas é também, por definição, incompatível com ele. O tema é de grande interesse e atualidade. Desde há alguns anos, predomina na bioética e na medicina a ideia de que há uma continuidade sem fissuras entre contracepção e aborto. Continue reading 2. A contracepção pioneira e sua incompatibilidade com o aborto

3. A profissão médica perante a contracepção: do rechaço à aceitação

Resumo: Capítulo III. A profissão médica perante a contracepção: do rechaço à aceitação  I. Introdução: O desprezo institucional da contracepção Durante boa parte do século XX, a medicina institucional adotou, em geral, uma atitude negativa em relação à contracepção. Em contraste com o rechaço da maioria dos médicos, o uso dos métodos contraceptivos ampliou-se cada vez mais entre o público geral, especialmente entre os mais abastados. … Continue reading 3. A profissão médica perante a contracepção: do rechaço à aceitação

4. Os médicos católicos e a aprovação profissional da contracepção

Resumo: Capítulo IV Os médicos católicos e a aprovação profissional da contracepção Neste capítulo estudaremos a relação que os médicos católicos dos Estados Unidos mantiveram com o Informe que o Comitê para o Estudo das Práticas Contraceptivas emitiu em 1937 e que deu origem à Resolução institucional que aprovou essas práticas. Num primeiro momento, analisaremos a participação que tiveram alguns médicos católicos, como membros do … Continue reading 4. Os médicos católicos e a aprovação profissional da contracepção

5. Os juristas aprovam a contracepção

Resumo: Capítulo V Os juristas aprovam a contracepção I. O Código Penal Modelo do Instituto Americano de Direito (ALI) O American Law Institute (ALI) é uma entidade privada, fundada em 1923, formada por juristas para estudar e propor melhorias nas normas jurídicas norte-americanas. Um dos projetos de maior envergadura do ALI foi a redação do Código Penal Modelo (MPC), que teve uma grande influência tanto nos … Continue reading 5. Os juristas aprovam a contracepção

6. Mudar as palavras para mudar a mentalidade

Resumo: Capítulo VI Mudar as palavras para mudar a mentalidade I. Introdução Na mente de seus pioneiros e na opinião geral, a contracepção era, por definição e até meados do século XX, a prevenção da concepção, entendida como prevenção da fecundação. Para a moral social e a ética profissional de então, a vida do neoconcebido era intocável. Esse conceito de contracepção corrompeu-se gravemente quando, uma vez … Continue reading 6. Mudar as palavras para mudar a mentalidade

7. O médico-biológico na Comissão Papal para o estudo dos problemas da Família, da População e da Natalidade

Resumo: Capítulo VII. O médico-biológico na Comissão Papal para o estudo dos problemas da Família, da População e da Natalidade Ninguém que tenha se interessado pelos aspectos éticos da contracepção pode ignorar o importante papel que a Comissão Pontifícia para o Estudo dos Problemas da Família, da População e da Natalidade (CP), criada pelo Papa João XXIII e mantida e ampliada por Paulo VI, desempenhou … Continue reading 7. O médico-biológico na Comissão Papal para o estudo dos problemas da Família, da População e da Natalidade